segunda-feira, 24 de maio de 2010

O boom do feito a mão

Essa segunda, fazendo um limpa na caixa de e-mails não lidos, me deparei com muitíssimas matérias, notas e alertas de diversas fontes apontando para o "retorno", a "não-extinção", o "desejo" por coisas e atividades manuais.

Ao abrir a última newsletter do Springwise, vi que um café francês próximo ao Canal Saint-Martin, em Paris, oferece máquinas de costura ao seus clientes. Ou seja ao invés de ser um cyber-café, temos aqui um crafts-café, ou melhor, um "café-couture" chamado de Sweat Shop e, se não me engano, patrocinado pela Singer, empresa de máquinas de costuras. Aqui o blog deles: http://sweatshopparis.blogspot.com

Em seguida, lendo o PFSK dou de cara com o maravilhoso trabalho do artista inglês Palvinder Nangla, em exposição no ICFF (Feira Internacional de Mobiliário Contemporâneo). Ao reunir e aglutinar manualmente pedacinhos de tecidos, coisas achadas por aí, jóias, brinquedos, Nangla formou diferentes moodboards que se tranformam em peças únicas, como telas de pinturas. Dentro desse precioso artesanato de coisas achadas, o artistas tece histórias com suas mãos.



Nem sei ao certo de onde veio essa notícia, mas descobri em que a American Express Foundation patrocina um projeto chamado CRAFTED. Ou seja, preocupados com a diminuição no número de artesãos na Inglaterra - que para eles não tem nada ligado à nostalgia, mas à qualidade dos produtos e criatividade daqueles que trabalham para a indústria do luxo, o projeto intende alimentar o espírito de empreendedorismo entre empresas de artesãos através de consultoria de expersts da indústria e criação de pontes com líderes de negócios da indústria do luxo. Serão apenas 12 empresas escolhidas para essa primeira ação.




A cereja no topo desse monte de notícias que evidenciam o boom do feito a mão veio do Trendland. O site apresentou o lindo trabalho do fotógrafo Phyllis Galembo que documentou imagens magnificas das roupas e cores de culturas africanas, haitianas e jamaicanas. Precisa dizer que o artesanato envolve todas as imagens com o DNA fortíssimo dessas regiões? Entrem no site dele e já anotem no caderninho de inspirações: o retorno dos artesões está cada vez mais evidente e me parece que passará a ser reverenciado ainda mais pelas culturas que perderam completamente essa conexão com o feito a mão.

Um comentário:

  1. só por esse post

    vou pegar minhas agulhas e tricotar.
    bjs

    ResponderExcluir